Comunicação, Cultura e Cotidiano
(contato: jsfaro.metodista@gmail.com)

Linha de Pesquisa: Processos Comunicacionais Midiáticos

Docente: José Salvador Faro

Ementa da disciplina:

A existência cotidiana vista como espaço de apreensão da realidade a partir da configuração do universo mítico e estereotipado do indivíduo, elementos através dos quais são construídas as percepções do mundo. Os padrões culturais da contemporaneidade formam-se, assim, como um conjunto de procedimentos de natureza simbólica que conformam a existência e dão a ela elementos da racionalidade instrumental com a qual o ser social lê e interpreta o mundo. Trata-se, portanto, de uma perspectiva que se alimenta de seu próprio imediatismo e da ideia de que os fenômenos que ocorrem ao redor do indivíduo são dotados de uma lógica imanente que dirige e orienta sua conduta. As práticas jornalísticas e publicitárias são vistas aqui como instrumentos construtores desse universo sob uma perspectiva híbrida: a da informação e a da reiteração desse processo .

O curso será desenvolvido em dois momentos distintos, mas simultâneos. Primeiro, a abordagem teórica que ofereça aos alunos a possibilidade de entendimento rigoroso do universo conceitual exposto acima. Segundo, a análise empírica de processos jornalísticos e publicitários que possam oferecer elementos de comprovação da hipótese delineada na ementa.

Plano de Ensino:

Aula
Conteúdo a ser desenvolvido
1a.

* Principais referências teóricas e conceituais sobre o tema da disciplina: narrativas e cotidiano. Apresentação do programa da disciplina e comentários sobre a bibliografia a ser usada no curso. Sistema de trabalho durante o semestre
2a.

* O cotidiano na perspectiva de Agnes Heller: seu fundamento histórico e social. O espaço do cotidiano como esfera de conflitos de natureza ideológica e cognitiva. Seminário sobre o texto de Heller: Estrutura da vida cotidiana
3a.

* Conhecimento e cotidiano. A percepção dos processos simbólicos na Arte (na Literatura) e na historiografia. Seminário sobre o texto de Franco Moretti: O século sério
4a.

* Novas perspectivas historiográficas e culturais sobre o cotidiano e sua presença nas narrativas da contemporaneidade. A esfera burguesa e a regularidade do cotidiano. Continuação do seminário anterior.
5a

* O cenário da vida comum e os espaços de resistência cultural. Seminário sobre o texto de Alípio de Souza Filho: Michel de Certeau,  Fundamentos de uma sociologia do cotidiano e
6a

* O cenário da vida comum e os espaços de reprodução simbólica. Seminário sobre o texto de Josiane Andrade: Reflexões historiográficas acerca do cotidiano
7a

* A comunicação e o cotidiano. As relações entre o campo midiológico e a vida comum. Seminário sobre o texto de Wellington Pereira de Almeida: A comunicação e a cultura no cotidiano
8a

* O cotidiano e a modernidade. Seminário apresentado em 2 fases sobre o texto de William Hecto Gomez Soto: A modernidade inconclusa
9a

* Continuação do seminário sobre o texto A modernidade inconclusa
10a

* Discussão com o Prof. Kleber Carrilho sobre as relações entre a Publicidade e a cultura do cotidiano
11a

* A publicidade e o cotidiano. Seminário apresentado em 2 fases sobre a tese de Elisa R. Piedras: Publicidade, imaginário e consumo. Anúncios no cotidiano feminino.
12a

* Continuação do seminário sobre o texto Publicidade, imaginário e consumo. Anúncios no cotidiano feminino
13a

* O jornalismo e o cotidiano. Seminário apresentado em 2 fases sobre o texto de Viviane Marques: A cotidianidade dos jornalistas
14a

* Continuação do seminário sobre o texto A cotidianidade dos jornalistas
15a

* Reflexões finais sobre a temática central da disciplina, seus fundamentos teóricos-metodológicos e perspectivas de operacionalidade dos conceitos trabalhados nas dissertações e teses dos alunos matriculados.

Referências bibliográficas básicas:

Costa Lima (org). Teoria da cultura de massa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1990.
Bakhtin, Mikhail. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec, 1983.
Berger, P.L. A construção social da realidade. Petrópolis: Vozes, 1983.
Bosi, Ecléa. A opinião e o estereótipo. Revista Contexto, 2, 1977.
Bourdieu, Pierre. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Editora Perspectiva, 2004.
Falcão, Maria do Carmo. Cotidiano: conhecimento e crítica. São Paulo: Cortez, 1989.
Heller, Agnes. O cotidiano e a história. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000.
Kellner, Douglas. A cultura da mídia. Bauru: Edusc, 2001.
Lippmann, Walter. Estereótipos. In: Steinberg, C (org). Meios de Comunicação de Massa. São Paulo: Cultrix, 1970.
Martín-Barbero, Jesús. Dos meios às mediações. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1997.
______________________________

 Sociedade, Cultura e Cotidiano

 À flor da pele: narrativas híbridas, cotidiano e comunicação (J.S.Faro).

 O cotidiano e a História (Agnes Heller).

 O século sério (Franco Moretti). Entrevista de Moretti para o site Crítica Dialética.

 Fenomenologia da Comunicação em sua quotidianidade (Fábio Fonseca de Castro)

 A invenção do cotidiano (Michel de Certeau).

* Culturas híbridas. Estratégias para entrar e sair da modernidade (Nestor G. Canclini).

* Globalización: productora de culturas híbridas? (Nestor G. Canclini).

* O local da cultura. Homi Bhabha

 A questão da hibridação cultural em Canclini (Mauro Gaglietti e Marcia Helena S. Barbosa).

Hibridismo Cultural (Peter Burke).

 Hibridismo cultural e globalização (Maria Elisa Cevasco)

* Identidade cultural na pós-modernidade (Stuart Hall)

Diferentes, desiguales y desconectados. Mapas de la interculturalidad (Nestor G. Canclini)


El conflicto de las identidades. Comunicación y imagenes de la interculturalidad (Echeto).

La construcción social de la realidad (Berger e Luckmann).

Cultura, medios y sociedade (Barbero e outros).

Dicionario de estudios culturales latinoamericanos (
Szurmuck e McKee Irwin).
______________________________

 Questões empíricas nos campos da Publicidade e do Jornalismo

Publicidade, imaginário e consumo. Anúncios no cotidiano feminino (Elisa Reinhardt Piedras).

* Recorrer à beleza, abandonar o Prozac. Ver breve reflexão abaixo. (El País).

* O fim da cultura dos objetos (El País)

Leituras do cotidiano e as intersecções entre o Jornalismo e as Ciências Sociais (Christa Berger e Frederico de Mello Brandão Tavares)

 Para uma antropologia da notícia (Luiz Gonzaga Mota).

* A cotidianidade dos jornalistas (Viviane Guedes)

* Sob a superfície dos fatos, a complexidade de seu significado: o desafio da narrativa no Jornalismo Cultural (J.S.Faro).

* A vida como ela é e como ela pode ser. Jornalismo e cotidiano na era do tempo real (Syvia Moretzsohn).

* Acervo O Globo ganha seção de propaganda (O Globo).

* A filosofia do cotidiano na crônica brasileira (Verso e Reverso)
______________________________

Modos de ser e de olhar o mundo





Boa parte dos trabalhos de conclusão de curso (na graduação e na pós-graduação) de cujas bancas participei recentemente fala sobre o decomposto das grandes estruturas - ainda que todos concluam por sua inserção nas contradições mais complexas dos sistemas de controle econômico, político, cultural... Penso que se trata de uma tendência que se consolida agora nos estudos de comunicação e mídia, depois de se manifestar com forte presença na historiografia e nos estudos culturais, mas uma tendência que procura entender os processos sociais fragmentados nas sobrevivências do cotidiano. Para uma compreensão mais detalhada dessa minha hipótese (não tão original como pode parecer), recomendo a leitura da reportagem do jornal El País (texto integral) sobre o fenômeno da "pequena estética" como mecanismo de superação cultural e ideológica da crise econômica e desse desespero que vai tomando conta dos padrões de consumo - atitude que tem sido irresponsavelmente estimulada pelo governo Dilma).

* Leia também O fim da cultura dos objetosInsidiosa, uma nova forma de convívio tangível com o mundo vai se incorporando ao nosso cotidiano (o artigo é de Daniel Verdu no El País)


* Reflexões publicadas no Estadão de 22/12/2013 que vão nos ajudar a entender o núcleo principal da disciplina:


* Cenas da sociedade afluente: Os novos "vândalos" do Brasil. Eliane Brum (El País)

* Retrato de uma juventude. Entrevista com Maffesoli sobre geração selfie (Estadão)

* Jovem que ser mais empreendedor, diz Luiz Barreto (Ig)

* De la lectura sin corazón (Jot Down)

* No bonde da ostentação: o que os "rolezinhos" estão dizendo sobre os valores e a sociabilidade da juventude brasileira. Vera França (revista ECOPós, UFRJ)

* A guinada dos populares: mídia e vida social no Brasil. Márcio Serelle (revista Contracampo, UFF)

* Segregação social: Camarotização: por que o brasileiro gosta tanto de segregar o espaço? (El País)

Para viver além de Narciso (Outras Palavras)

El pensamiento vagabundo (El País)

* Meritocracia, trapaça e depressão (Outras Palavras)

O negativismo crítico de Michel Houellebecq (Outras Palavras)

O fim do sonho multicultural | VoxEurop.eu: atualidade europeia, ilustrações e revistas de imprensa

“A pós-modernidade é um Renascimento ressignificado” (IHU)

O fascismo como desejo (Frederico Feitoza)

* "Há um imperativo de ser feliz, em todos os lugares, o tempo todo" (El País)
______________________________